Belém do Pará –  uma surpresa boa no Norte do Brasil.

Feriado prolongado se aproximando, o que fazer? Eu não queria ficar em São Paulo, mas também não queria ir para a praia. Então, lendo uma reportagem sobre turismo na região Norte do Brasil, veio a idéia de conhecer Belém do Pará.

Entrei no site da Smiles e vi que as passagens para Belém, se eu quisesse comprar com milhas, estava bem razoável. Não pensei 2 vezes, comprei a passagem e lá fui eu para o site  booking. com reservar o hotel.  https://www.booking.com r

Onde ficar?

Sempre tenho a preocupação com localização do hotel, ou seja, procuro pesquisar qual a melhor região para se ficar. Essa é uma recomendação que faço para qualquer viajante, seja maduro ou não,  sozinh@ ou acompanhad@.

Procure hospedagem próxima as atrações turísticas, a bares, restaurantes, e que a noite você possa caminhar sem que haja algum senão.

Em Belém as melhores regiões  para se hospedar são Batista Campos e Umarizal. Ambas um pouco distante do centro e dos principais pontos turísticos,  no entanto são seguras, há possibilidade de se andar a pé mesmo que a noite. São relativamente novas, modernas, arborizadas e muito mais limpas que a região central.

Em Batista Campos e Umarizal encontram-se a maioria dos melhores  hotéis de Belém. Como disse, os pontos turísticos e o Centro estão um pouco distante. Durante o dia, se quiser, você pode ir caminhando até eles, mas a noite sugiro que vá de taxi, a região central é perigosa: muitos drogados, pedintes e relativamente escura. Os próprios locais recomendam que não se caminhe nessa região.

Ir de taxi a noite a um dos principais pontos turísticos que é Estação das Docas – complexo de bares e restaurantes, muito famoso e gostoso, na região portuária, é relativamente barato. Eu estava hospedada no Bristol Umarizal Belém, e gastei em torno de R$ 15,00 para ir a noite  e curtir o agito da Estação das Docas.

 

14 Principais atrações de Belém do Pará

 

1- Basílica de Nazaré – é lá que está   a imagem da Nossa Senhora de Nazaré, encontrada por um pescador em 1700, e é lá também que culmina a festa do Círio de Nazaré. A basílica é muito bonita e emociona.

 

2- Tacacá – Comida típica e mais famosa de Belém do Pará.

Tacacá é um caldo, servido quente, em cuias (vasilha arredondada confeccionada com o fruto da cauieira), e feito com a goma da mandioca, camarões e tucupi. Ele é temperado com alho, sal e pimenta, e ao final adiciona-se  jambu – erva com a propriedade de provocar sensação de formigamento na boca.

Ao redor da Basílica é onde se encontram as  mais famosas barracas  de tacacá de toda Belém. São brancas, limpíssimas e os proprietários  muito gentis, tanto com os locais como com os turistas.

A barraca mais famosa é a da Da. Maria. Você a encontra facilmente, pois está escrito o nome Da. Maria nela, não tem o que errar, mas se quiser prove de outras e me conte qual é o melhor tacacá.

Eu provei o tacacá de mais uma barraca, além da Da. Maria. Realmente, além do Tacacá ser um caldo dos Deuses, eu gostei mais do da Da. Maria. Imperdível.

 

Centro Histórico –  o Centro Histórico – Cidade Velha, é relativamente grande. Segundo os locais ele começa ao redor da Praça da República, segue as ruas do entorno, Estação das Docas, Mercado-ver-o-peso, e até depois do Forte do Presépio

 

3- Praça da República – Eu iniciei meu passeio ao Centro Histórico pela Praça da República. Peguei um taxi do meu hotel até a Praça da RepúblicaUma praça muito bonita, que abriga o Theatro da Paz e o Café da Paz, café esse, que no início da república era frequentado por jornalistas, poetas, políticos e intelectuais.

 

4- Theatro da Paz – O Theatro da Paz, reflete a época áurea de Belém, ele foi fundado em 1878 e está em atividade até hoje. É possível conhecer o Theatro. sua história e instalações, inclusive camarins, através de uma visita guiada, bem como assistir a concertos, espetáculos de dança e shows que lá são apresentados, http://theatrodapaz.com.br/

Todos os domingos, ocorre uma feira na Praça da República, onde são vendidos produtos típicos (bombom de cupuaçu, geléias, doces diversos) e artesanato. Além disso, pode-se assistir apresentações  circenses, teatro infantil, músicos regionais  e grupos de danças típicas. Ela é frequentada basicamente pelos locais, principalmente famílias com crianças.

 

 

5- Casarios – Depois de visitar o Theatro da Paz, o Café da Paz, fui caminhando lentamente pelas ruas do entorno . Descobri nessa caminhada os casarios. A arquitetura desses casarios, refletem a colonização portuguesa e a riqueza que já fez parte da vida da cidade, no entanto, hoje, estão deteriorados, mal conservados e muitos se tornaram lojas de artigos chineses. Confesso que cheguei a sentir uma certa tristeza, por ver o abandono da região.

 

 

amazon-beer-belem-para6- Estação das Docas – O antigo porto fluvial de Belém, no ano 2000,  deu lugar a um espaço ícone da cidade como do Estado :  a Estação das Docas. Ele é um complexo turístico, que em um só lugar oferece opções de gastronomia, moda, lazer e eventos, com conforto e segurança. Está situado á beira da baia do Guajará, são 500 metros de extensão voltados para orla. Nele encontram-se  três armazéns, distribuídos em 32 mil metros quadrados, e um terminal para embarque e desembarque de passageiros.  SUPER RECOMENDO.

Foi  lá que depois de uma caminhada no calor de Belém, eu me refresquei com uma deliciosa cerveja no restaurante Amazon Beer – cerveja artesanal de primeiríssima qualidade, e ainda apreciei as deliciosas coxinhas de camarão e siri. Lógico que fui várias vezes a Estação das Docas, lembrando que a noite fui e voltei de taxi

 

 

7- Mercado-ver-o-peso – Ícone de Belém do Pará, inaugurado em 1901, é considerado a maior feira livre da América Latina. Nele encontra-se de tudo um pouco; desde roupas, poções mágicas para arranjar marido ou mesmo curar de impotência a unha encravada, e principalmente frutas exóticas, temperos inusitados, vegetais diferenciados, legumes típicos da região e lógico  sucos incríveis.

Apesar de parecer, confuso, sujo, e cá entre nós o cheiro também não é dos mais agradáveis, vale a pena uma visita bem como provar as frutas exóticas, os seus sucos e ainda de quebra quem sabe encontrar o chef Alex Atala ou mesmo Thiago Castanho, fazendo compras de temperos, legumes ou frutas. Eu cruzei com o Alex Atala, ele estava comprando temperos.

 

 

8- Mercado do Peixe e da Carne – O mercado do peixe, chamou minha atenção pela diversidade,  tamanho gigantesco, preço e qualidade dos peixes. Para uma paulistana é uma imagem belíssima.  Já o Mercado da carne, também conhecido como Mercado Bolonha, se destaca pela beleza arquitetônica. Foi inaugurado em 1867 e merece ser visitado http://percorrendobelem.blogspot.com.br

 

 

 

 

 

 

 

9- Catedral Metropolitana –  A Catedral Metropolitana de Belém é também conhecida como Catedral da Sé e é um dos pontos turísticos mais visitados da cidade. Sua construção data de 1748 e sua arquitetura obedece os estilos neoclássico e barroco. Após uma grande restauração foi  reaberta ao público em 2009.  Ela está situada na Praça D.PedroII.

 

10 – Praça do Relógio próxima ao Mercado-ver-o-peso, é uma praça pequena, cercada pela história da cidade: casarões, Catedral da Sé. O relógio lembra muito o da Estação da Luz de São Paulo e o Big Ben de Londres, até porque  eles foram fabricados pela  J.W. Benson Ltd, Londres

 

 

 

forte-presepio-belem-para

 

11 – Forte do Castelo/ Forte do Presépio – Localizado sobre a baía do Guajará, sua construção data do século XVII. Além de admirar a belíssima paisagem, a vista magnífica do Rio Guamá, é possível ver o Museu o Encontro, no interior do edifício, que conta um pouco da colonização portuguesa na Amazonia.

12- Casa das Onze Janelas/ Museu de Arte Contemporânea e Espaço Cultural Onze Janelas –  é um espaço dedicado à arte contemporânea brasileira. Construido no sec XVIII, foi residência  de um senhor de engenho e depois foi adaptado para ser um hospital militar. Permaneceu nas mãos do Exército Brasileiro até o ano 2000. Hoje, nele encontram-se coleções de arte moderna, contemporânea e fotografia de artistas locais e nacionais. http://www.secult.pa.gov.br/Obs: as visitas devem ser agendadas.

 

13- Mangal das Garças- na minha opinião o local mais lindo de Belém.Parque Naturalístico Mangal das Garças ocupa  uma área de cerca de 40.000 metros quadrados às margens do Rio Guamá. A entrada no Mangal das Garças é franca, exceto nos espaços de visitação monitorada, sendo o Borboletário José Márcio Ayres, Farol de Belém, Viveiro das Aningas, e Memorial Amazônico da Amazônia. Muitas atividades são realizadas no Parque como: Teatro, Alimentação aos animais, Exposições, Roteiro Expresso e outras. http://www.mangalpa.com.br/

 

 

 

14- Orla ao entardecer – Passeio de barco pelo Rio Guamá – Imperdível, nesse passeio você tem a visão da cidade toda:  Mercado-ver-o-peso, Forte do Presépio,  Mangal da Garças,  ilhas, enfim toda a orla de Belém.

 

 

 

 

 

Onde comer?

Aqui vão alguns lugares que eu comi e minha opinião sobre eles:

1- Remanso do Peixe – onde o chef Thiago Castanho iniciou sua história, ele pertence ao pai do Thiago Castanho. Imperdível. Comida maravilhosa, atendimento fantástico. – Trav. Barão do Triunfo, 2590 – casa 64

2- Remanso do Bosque – o mais top de todos.  Do próprio Thiago Castanho, fica num local lindíssimo, ao lado do Bosque Rodrigues Alves.  Badaladíssimo, conhecido internacionalmente por sua comida sensacional, bem como o atendimento. Eu tenho uma história muito interessante nesse restaurante. Sou alérgica a lactose, e a maioria das sobremesas, oferecidas no dia da minha visita continham leite, no entanto eles gentilmente, para minha surpresa e satisfação,  fizeram algo especial  para mim : bacuri flambado com farofa de tapioca. E ainda disseram: “Você não sai daqui sem comer uma sobremesa”.  Ameiiiiiiiiiii

3- Amazon Beer –  Estação das Docas, excelente para saborear petiscos e tomar uma cerveja estupidamente gelada.

4- La em casa –  Estação das Docas – almoço tem buffet com pratos quentes, saladas e sobremesas e a noite o serviço é a la carte . Gostei muito do pato no tucupi

5- Manjar das Garças – Parque Mangal das Garças, no almoço é buffet e no jantar buffet ou a la carte. Eu fui no almoço, era final de semana e estava lotado. A comida, na minha opinião, deixou a desejar. A relação custo/benefício não é satisfatória.

6- Circus – com casas no Umarizal e Nazaré , essa hamburgueria,  apresenta algo muito típico, o Jambúrguer – folha de jambu refogada no alho, além de castanha-do-pará e queijo Marajó. Vale a pena experimentar.

7- Point do Açaí –  Açaí no Pará é salgado.  Para provar essa delícia eu escolhi o Point do Açaí, uma casa tradicional  e famosa pelo peixe frito com farinha e tapioca e purê de açaí. Ela tem dois endereços – Boulevard e Veiga Cabral.

8- Sorvetes Cairu-  Depois de comer bem, divertir-se que tal um sorvete para se refrescar do calor Paraense? Vir a Belém e não experimentar o famoso sorvete Cairu é uma heresia. Há 50 anos fazem o melhor sorvete com matéria-prima:  frutas exóticas do Pará. São muitas as lojas espalhadas pela cidade, o meu eu tomei na Estação das Docas.

9- Saldosa Maloca – O restaurante fica na Ilha do Combú, na Baía do Guajará, acessível por barquinhos. O local me pareceu muito lindo, não tive tempo de ir, mas ele é muito recomendado pelos locais. O cardápio é a base de peixe e camarão e os sucos, que são muito famosos, feitos por frutas colhidas no próprio terreno do restaurante.

 

Meu roteiro de 4 dias:

Dia 1 – Cheguei a Belém no início da tarde, instalei-me no hotel e fui conhecer os arredores. Aproveitei para ir a Basílica de Nazaré e comer o famoso tacacá da Da. Maria. A noite o jantar foi na Jamburgueria Circus. Queria provar o hamburguer de jambu.

Dia 2– Após o café da manhã, aproveitei para conhecer a cidade velha: Praça da República, Theatro da Paz, Café da Paz, Casarios, Mercado-ver-o-peso, Estação das docas.  No Mercado-ver-o-peso, como ninguém é de ferro, e o calor de Belém é intenso, tomei  sucos de frutas exóticas: bacuri e cupuaçu, e também aproveitei para fazer umas comprinhas de temperos.

Meu almoço foi  na Estação das Docas, no restaurante Lá em Casa, onde apreciei um delicioso pato no Tucupi, como sobremesa, enfrentei a fila da sorveteria Cairu e posso dizer que valeu a pena.

Final da tarde tour pelo rio Guamá, maravilhoso. Após o passeio nada melhor que a cervejinha gelada da Amazon Beer com as coxinhas de siri, camarão. Só curtição

Dia 3- Após o café no hotel, cidade velha novamente, queria conhecer os pontos turísticos que faltavam. Caminhando cheguei  a Praça do Relógio,  em seguida  Catedral da Sé,  Forte do Presépio, a Casa das 11 Janelas e o Mangal das Garças.

No Parque Mangual das Garças,  fui praticamente em todas as atrações:  Viveiro da Aningas, Borboletário, Museu da Navegação, Mirante do Rio, Farol de Belém e  aproveitei para almoçar no Manjar das Garças.

A noite jantei no Remanso do Peixe  que delícia, imperdível.

Dia 4 – Caminhei pelas ruas ao entorno do hotel para conhecer melhor Umarizal. Bairro de avenidas largas, lojas modernas, shopping centers. É uma Belém vibrante.

O meu almoço foi no Remanso do Bosque e jantar no Point do Açai.  Fechei com chave de ouro minha estadia em Belém.

Dia 5 – Voltei para São Paulo pela manhã

PS: Você pode se perguntar: – como ela consegue comer todas essas comidas exóticas?   ou ainda será que não passa mal?

Eu realmente provo todas as comidas, que cito em meus posts, como diz minha irmã : tenho uma legião de lombrigas desgovernadas, fico desesperada por provar comidas de rua, exóticas ou mesmo regionais e realmente não passo mal.  O segredo  é não comer exageradamente. Eu  “provo” e me delicio com os sabores diferentes.