Realização de um Sonho

Quando criança eu sonhava  em  por os pés  nas águas do Rio São Francisco, conhecer Allambra, até por que o palácio me lembrava as histórias de contos de fadas, atravessar o Estreito de Gibraltar e chegar a Marrocos.

Colocar os pés no Rio São Francisco e visitar Allambra, eu já tinha “tickado”na minha lista, faltava, então, atravessar o Estreito de Gilbratar e chegar a Marrocos. Para realizar esse sonho eu escolhi a rota Tarifa-Tanger.

Tarifa-Tanger – Estreito de Gibraltar

estreito-de-gibraltarA travessia Tarifa-Tanger , acontece por  Espartel-cabo Trafalgar https://pt.wikipedia.org  , início do Estreito de Gibraltar. Ela dura em torno de 40 minutos e é operada pela FRS, com “ferries” de alta velocidade

Resolvi fazer a travessia por Tarifa, em virtude de estar hospedada  em Cadiz.  A distância entre as 2 cidades é  relativamente pequena, cerca de 1h de carro.

Eu, minha irmã e uma amiga,  escolhemos um sábado para realizarmos essa “aventura”. Como sou eu quem organiza as compras de tickets e passagens, na sexta feira após pesquisa na internet, comprei pela Costasur, a excursão de 1 dia, cujo preço foi de 60 euros por pessoa.

Nessa excursão estava incluso a travessia ida-volta, pelo ferry, o guia em Tanger, um tour pela cidade em van, um tour pela Medina (cidade amuralhada) e um almoço típico em um restaurante localizado dentro da própria Medina.

Chegamos em Tarifa no início da manhã, por volta das 9,00h, pois de acordo com o site a excursão sairia as 10,00h. SURPRESA.…, adivinhe o que aconteceu…

Ao chegar em Tarifa, fomos até o endereço indicado no site e no email de confirmação que havíamos recebido e não encontramos a agência. Perguntamos para várias pessoas e elas não sabiam nada sobre a Costasur, não conheciam essa agência.

O que  fazer? Desespero não resolveria.

Lá fomos nós rumo ao porto, para encontrar uma outra agência, pois decidimos que o passeio seria feito. Encontramos uma agência da FRS, que é a operadora dos ferries, e contamos nossa história. Para nossa surpresa e indignação ficamos sabendo que a Costasur, tinha fechado a sua agência no endereço mencionado havia uns 6 meses.

Respiramos fundo e compramos novos tickets, pelo valor de 59 euros, cada um. Você pode estar se perguntando, e o dinheiro pago anteriormente?

Naquele momento, depois de ficarmos chocadas com a informação,  não nos preocupamos, com o pagamento feito para a Costasur, pois sabíamos que poderíamos cancelar a compra, uma vez que compramos com cartão de crédito.

Para minha “alegria”, eu tinha comprado as 3 passagens no meu cartão,  no entanto, na 2a.feira, seguinte a compra recebemos um email da Costasur, pedindo desculpas por não poder nos atender, e por não concretizarem a venda. “UFAAAAAAA. Amém.

Roteiros Tarifa-Tanger – 1 dia

As agências de viagem oferecem 2 roteiros, nos escolhemos o roteiro que era idêntico ao que havíamos comprado da Costasur.

Como chegamos antes das 9,00h a Tarifa, queríamos enquanto esperávamos o embarque tomar um café quente e comer algo. Existem alguns cafés no caminho do porto e vários cafés, bem legais, dentro do próprio porto. Eu recomendo tomar café dentro do próprio porto, achei mais interessante.

As 10 horas, iniciou-se o embarque, que posso afirmar é bem tranquilo, até porque a agência te assessora o tempo todo: olha o seu passaporte, guia você até o guichê, conversa com o agente, espanhol, da imigração e quando você chega a Marrocos, milagrosamente ela está na sua frente. Recomendo ir com agência, pois no porto do lado Marroquino a bagunça é muito grande.

O ferry que faz a travessia Tarifa-Tanger é muito bom, limpo, com dutty free, e café, no entanto você tem de ficar atento para fazer a imigração, o que pode fazer que você perca a beleza da travessia.

A imigração para Marrocos é feita no próprio ferry. Minha sugestão é que você preste atenção, quando ver uma fila, pode ter certeza que, não é para compra de café mas sim  para fazer  a imigração.

A imigração é muito simples: você apresenta o passaporte e o agente carimba.

O desembarque, também é tranquilo e se você estiver com uma agência, ao pisar em solo marroquino, su@ agente estará lá, como disse anteriormente, milagrosamente.

O tour por Marrocos é feito de van e com um guia local. Nesse passeio ele vai mostrando  a Marrocos moderna, que é muito bonita, e para por 5 minutos em um belvedere onde é possível tirar algumas fotos do Estreito. A seguir a viagem continua até o local onde estão os camelos.

Você poderá andar de camelo por 10 euros, detalhe o percurso é de 100 metros. Os camelos são limpos e não tem aquele cheiro horrível, que fica impregnado na roupa.  Minha amiga, adorou. Eu como já tinha andado declinei do passeio.

Após esse pequeno tour pela cidade moderna, fomos para a Medina. Que DECEPÇÃO, as ruelas  tem cheiro de esgoto, dá a sensação de que tudo é sujo. As pessoas, tem uma expressão bonita, mas estão mal cuidadas, sem dentes e vestidas com roupas que dão a impressão de encardidas.

Nosso guia não deixou, em momento algum, interagirmos com os marroquinos e nem mesmo encostarmos em alguma “tenda”que achamos interessante. Eu queria comprar tâmaras frescas e temperos, e não pude, ele não permitiu, só consegui comprar um pão super bem cheiroso, típico da região,  mas tomei a maior bronca,  ele quase comeu minha alma, dizendo que era perigoso

Sinceramente, eu não consegui saber qual o tipo de perigo e quando perguntei ao nosso guia ele desconversou.

Os guias são marroquinos e falam, além do árabe, francês e espanhol.

Curiosidade: árabe é a primeira língua no Marrocos e francês a segunda, elas são ensinadas na escola.

A visita a Medina, foi ao mesmo tempo curiosa e entediante, pois é obrigatório a parada em 2 “tendas”, eles chamam de parada cultural. Uma das paradas  é numa loja de tapetes, onde um funcionário explica  os diferentes tipos de tapetes, como são tecidos e quais as diferenças entre eles, em seguida expõe os mesmos

A outra é a um herbário, cujo o encarregado das explicações é muito estranho e mal educado, ao perceber que nosso grupo não iria comprar os produtos por ele oferecido ele encerrou a apresentação dizendo “Como ninguém quer comprar nada a explicação está encerrada. O que foi um grande alívio, por que era muito chata, ele queria empurrar a todo custo produtos com argain.

O legal do passeio foi o almoço típico, num restaurante que acredito, pelo que pude ver na Medina, o melhor e apropriado para receber grupos de turistas. Nesse restaurante os pratos são os tradicionais marroquinos e há um conjunto musical no mínimo interessante que anima a refeição.

 

 

Como nosso grupo era de 5 pessoas: minha irmã, minha amiga, eu, e mais um casal de franceses e não compramos nada, após o almoço, sobrou um tempo para visitarmos uma tecelagem local, onde são tecidos pashiminas, kaftas, cortinas, tapetes típicos da região.

 

 

O passeio dura umas 5 horas e meia e o retorno a tarifa é as 18,00h.

O retorno a Tarifa, sério, mereceria um outro post, por que é uma grande confusão. Imagine que Tanger é uma cidade onde os marroquinos que moram na Espanha, vão quase que diariamente comprar muamba, para distribuir e vender nas ruas das cidades espanholas.

Na ida, no ferry, as 11 h,  só vemos turista, na volta o público é muito diferente, são marroquinos que vendem seus produtos na Espanha. Eles tumultuam, querem passar na frente na imigração, discutem, falam alto, xingam em árabe, criam caso com os turistas, é um verdadeiro auê.

Na hora de descer do ferry, a confusão é maior ainda, se bobear eles passam por cima dos turistas, até por que estão em maioria, no meu entender, eles desrespeitam as pessoas. Esse desrespeito, está intimamente ligado ao desejo de sair rápido para pegar as imensas malas que deixaram no bagageiro do ferry. Minha sugestão, deixe-os  passar e depois calmamente você vai se dirigindo a imigração espanhola.

Conclusão dessa aventura: Fiquei decepcionada com Tanger, esperava mais em termos de história e cultura.

 

 

 

 

 

portal-principal-medina-tanger-marrocos